quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Irão confirma ajuda militar aos grupos palestinianos

Irão confirma ajuda militar aos grupos palestinianos
O Irão dá ajuda "militar" ao movimento palestiniano Hamas que dirige a Faixa de Gaza, confirmou esta quarta-feira o presidente do Parlamento iraniano, Ali Larijani.

"Estamos orgulhosos de defender o povo da Palestina e o Hamas, (...) estamos orgulhosos que a nossa ajuda seja financeira e militar", declarou Larijani, citado no 'site' do Parlamento do Irão, sem precisar, no entanto, a natureza da ajuda militar.

Teerão nunca escondeu o apoio material e financeiro ao Hamas e à Jihad Islâmica, movimentos radicais palestinianos que lutam contra Israel, mas nunca esclareceu o tipo de ajuda militar.

Nos últimos dias, Israel tem acusado o Irão de ter fornecido aos grupos palestinianos de Gaza mísseis "Fajr-5", com um alcance de 75 quilómetros, que têm sido disparados contra território israelita desde 14 de novembro, quando começou uma ofensiva israelita na Faixa de Gaza.

O chefe da Jihad Islâmica, Ramadan Abdallah Challah, reconheceu na terça-feira em declarações à televisão Al-Jazeera que os grupos palestinianos de Gaza utilizam armas iranianas nos ataques contra Israel, mas não disse que tipo de armas nem como são entregues.

"Toda a gente sabe isto. Não é segredo. As armas da resistência na Palestina face à agressão israelita são essencialmente de origem iraniana: são armas iranianas ou adquiridas com financiamento iraniano", declarou.

O comandante dos Guardas da Revolução, general Mohammad Ali Jafari, afirmou à agência ISNA que Teerão "fornece ajuda técnica e tecnológica a todos os muçulmanos que lutam contra a arrogância mundial", expressão que na retórica oficial iraniana designa os países ocidentais e Israel.

"Atualmente não podemos ajudar (a resistência palestiniana) porque Gaza está cercada", adiantou.

Jafari disse também que os mísseis "Fajr-5" lançados desde Gaza contra Israel "não foram fornecidos pelo Irão", mas que a sua tecnologia foi.

"Esses mísseis podem ser produzidos rapidamente" pelos grupos palestinianos, afirmou.

Fonte: Jornal de Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário