sábado, 13 de dezembro de 2014

Num mês rejuvenesce 10 anos, bebendo três litros de água por dia.


Uma mulher de 42 anos decidiu começar a beber três litros de água por dia e, após um mês, as diferenças no seu grão de pele são notórias, como pode verificar na imagem acima. Em declarações ao Daily Mail, Sarah Smith afirma que “todos os sistemas e funções do nosso corpo dependem de água”.

Sarah Smith sofria de dores de cabeça e de indigestão e, depois de falar com o seu neurologista e com o seu nutricionista, iniciou uma experiência de um mês, em que bebia três litros de água por dia.
A mulher de 42 anos, mãe de dois filhos, fotografou-se antes de começar a experiência e depois e publicou os resultados no Daily Mail. As diferenças são notórias, dando impressão de rejuvenescimento significativo da pele.

De acordo com Sarah, a desidratação era a causa do “envelhecimento à volta dos olhos, de uma profusão de rugas e de uma pigmentação estranha na pele”. Este aspeto pouco saudável da pele estará, então, relacionado com o consumo de água.
Sarah adiantou, ainda, que decidiu levar a cabo esta experiência depois de ler um estudo que dizia que uma em cada cinco mulheres, no Reino Unido, consomem menos do que a quantidade diária recomendada de água.

“Todos os sistemas e funções do nosso corpo dependem de água. Limpa as toxinas dos órgãos vitais, leva nutrientes para as células, hidrata tecidos dos ouvidos, do nariz e da garganta e elimina resíduos”, esclareceu a mulher.

No entanto, a conclusão não é aceite de forma generalizada. Um dermatologista afirmou à revista Cosmo UK que “não existem dados suficientes que provem que oito [ou mais] copos de água por dia melhorem realmente o tom e a textura da pele”.

-- Notícias ao Mínuto

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Acidente nuclear em central ucraniana

O ministro da Energia ucraniano confirmou, esta quarta-feira, a ocorrência de um acidente nuclear na central de Zaporizhzhya, a cerca de 400 quilómetros de Kiev.

A notícia está a ser avançada pela agência Reuters que garante que o ministro Volodymyr Demchyshyn confirmou hoje que houve um acidente nuclear na central de Zaporizhzhya.

"O incidente ocorreu no terceiro reator da central nuclear de Zaporijia, no sistema de produção elétrica. Não está ligado ao reator. Foi um curto-circuito", explicou, revelando ainda que o acidente ocorreu na última sexta-feira.

O governante garantiu, contudo, que “não há qualquer perigo” e que “não há qualquer problema com os reatores”, adiantando que a central voltará a funcionar com normalidade já na sexta-feira, dia 5.

As centrais nucleares representam 44 por cento da produção energética da Ucrânia, segundo a Agência Internacional de Energia Atómica.

Este acidente traz à memória a catástrofe que ocorreu na cidade ucraniana de Chernobyl a 26 de abril de 1986 e do qual resultou a morte direta de 31 pessoas, sendo que estão ainda por contabilizar os efeitos a longo prazo que a explosão e consequente libertação de partículas radioativas terão na vida de milhares de pessoas.

-- Notícias ao Minuto

Stephen Hawking diz que inteligência artificial pode significar o fim dos humanos

O astrofísico britânico Stephen Hawking afirmou que o desenvolvimento da inteligência artificial poderá significar o fim da humanidade.

Em entrevista à BBC, o cientista, que está completamente paralisado devido a uma esclerose lateral amiotrófica, disse que esse tipo de tecnologia podia evoluir rapidamente e ultrapassar a humanidade, um cenário semelhante ao apresentado em filmes como "O Exterminador do Futuro".


"As formas primitivas de inteligência artificial que temos já se mostraram muito úteis. Mas eu penso que o desenvolvimento de uma inteligência artificial completa poderia acabar com a raça humana", disse o astrofísico que fala mediante a ajuda de um computador e se move numa cadeira de rodas.

O professor acrescentou que, "assim que os humanos desenvolverem a inteligência artificial, esta iria descolar sozinha, e redefinir-se cada vez mais rápido".

"Os humanos, limitados por uma lenta evolução biológica, não seriam capazes de competir e seriam ultrapassados", continuou Hawking, considerado um dos cientistas vivos mais brilhantes.

Hawking é favorável às novas tecnologias de comunicação e disse ter sido um dos primeiros a estar "conectado" no início da Internet.

Para o cientista, a Internet trouxe perigos e benefícios, citando um aviso do novo chefe da agência de espionagem britânica GCHQ, que disse que a Internet tornou-se um centro de comando para os criminosos e terroristas.

"As empresas de Internet precisam fazer mais para combater a ameaça, mas o desafio é fazer isso sem sacrificar a liberdade e privacidade", argumentou o astrofísico de 72 anos de idade.

Stephen Hawking disse na terça-feira que o seu sistema de comunicação, melhorado pelo grupo norte-americano Intel, estará disponível gratuitamente para a comunidade científica em janeiro.

Congratulando-se com os avanços, o cientista disse não querer mudar a sua voz robótica, que vem de um sintetizador originalmente projetado para um serviço telefónico.

"Esta voz é muito clara, embora um pouco robótica. Tornou-se a minha marca e eu não mudar para uma voz mais natural com um sotaque britânico", disse à BBC. "Aparentemente, as crianças que precisam de uma voz artificial querem uma como a minha", afirmou.

-- Jornal de Notícias