sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz ano novo 2012, Boas Saídas e Melhores Entradas é o meu Desejo


Criada sande inovadora que dura dois anos

Criada sande inovadora que dura dois anos
A mais recente novidade do Exército norte-americano não é uma arma, nem sequer uma estratégia militar. É uma sande de frango no churrasco. Com uma particularidade: mantém-se fresca durante dois anos.

Trata-se de uma sande única, porque tem ingredientes que a tornam imune a bactérias e ao efeito do tempo sobre a validade dos nutrientes. Foi criada pelo Centro de Investigação, Desenvolvimento e Engenharia para os soldados de Natick, no estado norte-americano de Massachusetts.

Segundo uma das criadoras desta sande militar, Michelle Richardson, o que permite prolongar a validade do alimento é a manipulação do PH, da água, da humidade e do oxigénio, pois são esses ingredientes que acabam por formar um molho que deteriora os nutrientes.

O sabor, garantem os criadores, é bom. E não é só de frango no churrasco. Também existem as versões de sabor a 'nachos', 'bacon', queijo 'cheddar', porco no churrasco e entrecosto.

Note-se que o laboratório que criou esta gama de sandes não perecíveis é o mesmo que criou a gama de comida fornecida aos soldados norte-americanos, concebida para não se estragar quando atirada de um helicóptero ou para se conservar sem refrigeração.

Os investigadores já estão a trabalhar na próxima invenção - pizza.

Fonte: Jornal de Noticias

Casal italiano separa-se após 77 anos de união

Casal italiano separa-se após 77 anos de união
Um homem italiano, de 99 anos, quer divorciar-se ao fim de 77 anos de casamento, depois de ter descoberto que a esposa, de 96 anos, teve um caso amoroso em 1940. 

O italiano, identificado como Antonio C., descobriu num velho baú cartas que a esposa, Rosa C., enviou ao amante na década de 40. A descoberta foi feita poucos dias antes do Natal.

Apesar de a traição ter sido há muitos anos, António C. ficou tão chateado que confrontou imediatamente a esposa e pediu o divórcio.

Segundo o "The Telegraph", Rosa C. terá confessado tudo, mas não foi capaz de convencer o marido a reconsiderar a decisão de avançar para o divórcio. O casal conheceu-se em 1930 e o casamento durava há 77 anos.

António e Rosa estabelecem, assim, um novo recorde, tornando-se no casal de divorciados com mais idade do Mundo, ultrapassando os anteriores recordistas britânicos, Bertie e Jessie Wood, ambos com 98 anos, que estiveram casados 36 anos.

Fonte: Jornal de Notícias

Irão vai testar mísseis na zona do estreito de Ormuz

A Marinha iraniana, em manobras navais na zona do estreito de Ormuz, vai testar hoje diferentes tipos de mísseis de curto e médio alcance, dias depois de o Irão ter ameaçado fechar aquele canal.

«Mísseis de curto e longo alcance terra-mar, terra-terra e terra-ar vão ser testados no sábado», disse o almirante Mahmud Mussavi, porta-voz das manobras navais iniciadas na zona a 24 de dezembro, citado pela Isna.

O Irão ameaçou fechar o estreito, por onde passa cerca de 40 por cento do comércio mundial de petróleo, se os países ocidentais impuserem novas sanções às exportações petrolíferas iranianas.

Os Estados Unidos, que mantêm no estreito a V Esquadra naval, advertiram Teerão contra qualquer tentativa de fechar o estreito, afirmando que «não será tolerada» qualquer perturbação do tráfego no canal.

O general Hassan Salami, “número dois” dos Guardas da Revolução, força de elite do regime islâmico, recusou quinta-feira a advertência norte-americana e afirmou que o Irão vai agir com determinação na «defesa dos seus interesses vitais».

Dois navios de guerra norte-americanos atravessaram anteontem o estreito de Ormuz sem problemas, apesar da ameaça iraniana de fechar esta passagem marítima em caso de novas sanções internacionais contra Teerão, anunciou ontem a marinha dos Estados Unidos.

Fonte: Jornal da Madeira

Computador do tamanho de um cartão de crédito à venda em janeiro

Same Raspberry Pi, other end
Um computador de baixo custo com o tamanho de um cartão de crédito. É assim que o Raspberry Pi tem sido apresentado, mas não são estas as únicas características a definir o micro-computador que chega ao mercado em janeiro, com preços a partir de 25 dólares. 

A ideia que, em 2006, precedeu ao desenvolvimento do dispositivo, criado no Reino Unido, era disponibilizar um computador pequeno e barato, que estivesse ao alcance dos bolsos dos estudantes e mudasse a forma como estes se relacionam com as máquinas e com a programação. 

O resultado é um micro-computador com 85,60mm x 53,98mm x 17mm e 45 gramas de peso, que se liga a uma televisão (ou monitor) e a um teclado e pode ser usado para muitas das tradicionais funções de um PC, como o processamento de texto, criação de folhas de cálculo ou para jogar. Além disso, suporta reprodução de vídeo em alta definição.

Na sua configuração básica, a pequena máquina, que corre Linux, vem equipada com um processador ARM, portas USB, saídas de áudio e vídeo, HDMI, e entrada para cartões SD. Esta versão estará à venda por 25 dólares.

O chamado modelo B custa mais 10 dólares, mas conta com o dobro da memória RAM (256MB), porta Ethernet, como mostra um esquema publicado no site do projeto.

Fonte: Sapo.PT

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Mulher gosta é de carinho!


No Canadá: Decisão judicial proíbe topless em restaurante

As empregadas de mesa do restaurante Les Princesses d'Hochelaga, em Montreal, no Canadá, foram proibidas de servir à mesa em topless pelo tribunal. 

A ordem judicial surgiu depois de anos de queixas da Câmara em relação à falta de roupa das empregadas, que apresentou a primeira reclamação em 2004 mas teve de esperar a decisão do Tribunal Superior de Québec. A decisão baseou-se no facto de que não serem permitidos estabelecimentos eróticos na região.

Desde 1998, ano de inauguração do restaurante canadiano, que o topless era 'vestuário' habitual das empregadas de mesa que lá trabalhavam e que desde a proibição viram as gorjetas descer para metade em relação aos valores habituais. E nem o facto de o dono alegar que o seu estabelecimento não recebia espectáculos eróticos, apenas mulheres atraentes a servir comida, serviu para demover o Tribunal.

Insatisfeitos também ficaram os clientes. "Muitos afirmaram que vinham aqui apenas para ver as empregadas de mesa", lamentou o dono.

Fonte: Correio da Manhã

Açores: Mais um sismo registado em São Miguel

Mais um sismo registado em São Miguel
É o terceiro registo em dez dias. Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos da Universidade dos Açores diz que "padrão de actividade continua a indiciar a possibilidade de se virem a registar episódios de maior libertação de energia".

O sismo de grau IV na escala de Mercalli Modificada foi sentido às 16:24 (17:24 em Lisboa) em Santa Bárbara, concelho da Ribeira Grande, ilha de S.Miguel, nos Açores, segundo informou o Serviço Regional de Protecção Civil dos Açores.

O teve um epicentro a um quilómetro de Santa Bárbara, concelho da Ribeira Grande, ilha de S.Miguel, adiantou a Protecção Civil. "Não foram registados danos pessoais ou materiais" e o evento foi também sentido nos concelhos de Lagoa e Vila Franca.

De acordo com informação do Instituto de Meteorologia, o sismo atingiu a magnitude de 3.0 na escala de Richter.

Segundo o Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos (CVARG) da Universidade dos Açores, "o evento em causa integra-se na crise sísmica que se vem desenvolvendo desde o passado dia 15 de setembro no sistema Fogo-Congro e cujo padrão de atividade continua a indiciar a possibilidade de se virem a registar episódios de maior libertação de energia".

Este é o terceiro sismo registado na ilha de São Miguel nos últimos dez dias. No dia 20, teve uma intensidade de IV na escala de Mercalli Modificada e foi sentido em Água d'Alto - o mesmo local onde se resgistou um sismo no dia 26, com uma intensidade máxima de III na referida escala.

A escala de Richter mede a magnitude do sismo, enquanto a de Mercalli classifica a intensidade a partir dos seus efeitos em pessoas e estruturas na superfície da Terra.

Segundo o Instituto de Meteotologia, o grau IV da escala de Mercalli é "Moderado: Os objectos suspensos baloiçam. A vibração é semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados ou à sensação de pancada duma bola pesada nas paredes. Carros estacionados balançam. Janelas, portas e loiças tremem. Os vidros e loiças chocam ou tilintam. Na parte superior deste grau as paredes e as estruturas de madeira rangem."

Fonte: DN.PT

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Marines Russos vs Piratas Somali: Parece Tiro ao Pr_to

Boas Festas e Feliz Ano de 2012!


OVNI avistado sobre cidade russa

Um objecto voador não identificado (OVNI) foi avistado a pairar sobre a cidade russa de Trekhgorny, perto da fronteira com o Cazaquistão, tendo a sua trajectória sido gravada e divulgada na Internet por vários habitantes. 

Nos vídeos é visível que o OVNI tinha uma espécie de nuvem à sua volta, o que reforçou em muitos observadores a convicção de que não se poderia tratar de um avião convencial.

Essa região da Rússia é conhecida pelo número de avistamentos de objectos voadores não identificados.

Alemanha: Conselheira de Merkel propõe insolvência para países mais endividados

Beatrice Weder di Mauro, conselheira do Governo alemão, alertou hoje para um eventual colapso do euro em 2012.

"Um colapso do euro seria mau para todos, mas já não se pode excluir totalmente", disse a professora helvética, em entrevista ao tablóide Bild.

Di Mauro lembrou que os políticos europeus estão a tentar há quase dois anos conter a crise das dívidas soberanas e erguer barreiras protectoras, "que até agora, no entanto, foram insuficientes".

Na opinião da professora de economia na Universidade de Mainz, os políticos subestimaram a crise, e de início fizeram pouco para a combater, não conseguindo agora actuar tão rapidamente como desejariam.

"E isso é um problema, porque os mercados estão nervosos e impacientes", advertiu.

Convidada a apontar soluções para a crise, di Mauro disse ser necessário que os países mais endividados da zona euro aceitem, a longo prazo, um plano de insolvência.

Além disso, os outros países da moeda única terão de se comprometer a reduzir as dívidas públicas e a sanear os orçamentos nacionais, acrescentou.

Através destas medidas, as dívidas públicas poderiam ser reduzidas a 60% do produto Interno Bruto (PIB) dentro de 20 anos.

Quanto aos juros, para as obrigações a emitir por cada um dos países, deveriam ser "mantidos a um nível realista, através da concessão de garantias mútuas", disse di Mauro, defendendo assim uma espécie de alternativa aos eurobonds.

Fonte: Económico

Este ano ainda como lagosta, deixa-la ver para o ano...


Chávez questiona se EUA provocaram cancro nos líderes sul-americanos

Chávez questiona se EUA provocaram cancro nos líderes sul-americanos
Hugo Chávez estranhou, esta quarta-feira, o número de casos de cancro entre os líderes da América Latina e perguntou se não terão sido os EUA provocar a doença. 

O presidente da Venezuela, num discurso transmitido na televisão, afirmou que "não seria estranho se eles tivessem desenvolvido tecnologia para induzir cancro e ninguém soubesse disso até agora... Não sei. Estou apenas a reflectir", declarou. "É um pouco difícil explicar isto, perceber isto, mesmo usando a lei das probabilidades".

As perguntas de Chávez, que sofre de cancro, surgiram depois do anúncio de que a presidente da Argentina tem um cancro na tiróide e que será submetida a uma intervenção cirúrgica a 4 de Janeiro.

Cristina Kirchner, de 58 anos, tem um carcinoma no lóbulo direito da tiróide, mas não apresenta metástases. A doença foi detectada no dia 22 deste mês, durante um exame de rotina. Os médicos que a acompanham dizem que o cancro de que sofre é "perfeitamente curável" e não requer quimioterapia.

Kirchner é a quinta líder política da América do Sul a quem foi detectado cancro desde 2009. A primeira foi Dilma Rousseff, presidente do Brasil. Em Abril de 2009, foi-lhe diagnosticado um tumor linfático que a obrigou a submeter-se a tratamentos de quimioterapia. Dilma, de 64 anos, diz que o problema está ultrapassado.

Também o antigo presidente brasileiro, Lula da Silva, está a travar uma luta contra o cancro na laringe, detectado em Outubro. Lula, que está prestes a terminar mais um ciclo de quimioterapia, irá também fazer radioterapia.

Hugo Chávez, presidente da Venezuela, tentou esconder a doença, detectada no início do ano, mas foi obrigado a confirmá-la, depois de estar "desaparecido" em Cuba durante largo tempo. Chávez, de 57 anos, sofre de cancro no cólon.

Por fim, o presidente do Paraguai. Fernando Lugo, de 60 anos, sofreu de cancro linfático, detectado no Verão do ano passado, mas garante estar curado.

Fonte: Jornal de Notícias

Falta de matérias-primas na indústria pode chegar em cinco anos

Falta de matérias-primas na indústria pode chegar em cinco anos
Escassez pode começar a sentir-se em breve, perturbando cadeias de fornecimento e as economias.

Bomba-relógio. É este o nome sugestivo de um relatório da consultora norte-americana PricewaterhouseCoopers (PwC) que ??incidiu sobre algumas das maiores indústrias de transformação nas áreas dos produtos químicos, automóvel, energias convencionais e renováveis, aviação, metais, infra-estrutura e alta tecnologia.

O documento pretendia saber qual o impacto que uma escassez de matérias-primas terá, e onde, ao longo dos próximos cinco anos. 

Dos vários setores, os líderes de negócios nas áreas automóvel, de produtos químicos e energia temem que serão os mais atingidos de acordo com o estudo "Falta de minerais e metais na indústria: uma bomba-relógio".

Para Malcolm Preston, diretor de sustentabilidade global na PwC, "Há muitas indústrias que só agora reconhecem que temos estado a viver acima dos meios do planeta. Novos modelos de negócio vão ser fundamentais para que se consiga responder aos riscos e oportunidades colocados pela escassez de metais e minerais".

Governo e empresas devem estar cientes da escassez 

Hans Schoolderman, principal autor do estudo, acrescenta: "O crescimento da população mundial, o aumento dos níveis de riqueza e a mudança nos padrões de vida estão a elevar os níveis de consumo globais, criando uma procura cada vez maior de recursos", diz. "Eu penso que tanto os Governos como as empresas devem estar cientes da abrangência, da importância e da urgência da escassez de matérias-primas renováveis e não-renováveis: energia, água, terra e minerais", conclui.

Entre os minerais e metais na lista de "crítica" estão o berílio, o cobalto, tântalo, o flurospar e o lítio. O berílio é usado na aviação e projetos aerospaciais, bem como em armamento militar, enquanto o cobalto se usa por exemplo para baterias recarregáveis de automóveis e o tântalo ao nível dos telemóveis, computadores e eletrónica automóvel. O flurospar é usado na indústria de construção, no fabrico de vidro e cimento, bem como em estrututas de aço e o lítio é usado generalizadamente em baterias.

Instabilidade e interrupções já em 2016 

Segundo o estudo, o risco de escassez em todos os setores deve aumentar significativamente, levando a instabilidade e a interrupções de fornecimento potencial nos próximos cinco anos, mas isso também vai criar oportunidades para a vantagem competitiva.

O relatório indica que 77% das indústrias consultadas admite que a escassez de metais e minerais é um tema importante para os seus negócios. A indústria automóvel é uma das que já está em nível de alerta - 80% dos inquiridos demonstrou inquietação face à falta de matérias-primas - ao passo que as empresas nos setores das energias renováveis e bens de consumo já estão a sentir alguma instabilidade no fornecimento de matérias-primas. Os setores que se seguirão, de acordo com o documento, são os da aviação, tecnologias de ponta e infraestruturas, que deverão sentir a falta no abastecimento de forma crescente até 2016.

Curiosamente, o estudo norte-americano reconhece que das empresas europeias, em regra, estarão mais bem preparadas com programas e políticas de minimização de riscos a este nível dos que nos EUA.

O estudo da PwC abrangeu 69 executivos de sete setores diferentes em três continentes, Ásia-Pacífico, Américas (Norte e Sul) e Europa. A maioria das empresas são protagonistas-chave no mundo, com faturação de mais de 10 biliões de dólares.

Fonte: Exame Expresso

Tensão: EUA não vão tolerar encerramento do Estreito de Ormuz

Comandante da marinha iraniana diz que fechar o estreito é tão "fácil como beber copo de água"
V Frota da Marinha dos EUA, sediada no Bahrein, avisou o Irão de que "não será tolerada" qualquer interrupção desta rota vital para o transporte petrolífero mundial.

"Quem quer que ameace perturbar a liberdade de navegação num estreito internacional está claramente fora da comunidade de nações. Uma interrupção não será tolerada", afirmou a porta-voz da Marinha americana Rebecca Rebarich.

A Marinha assegurou que está "sempre preparada para agir contra acções malévolas e assegurar a liberdade de navegação".

O primeiro vice-presidente iraniano, Mohammad Reza Rahimi, ameaçou terça-feira que "nem uma gota de petróleo passará pelo estreito de Ormuz" se os países ocidentais decidirem aplicar sanções às exportações petrolíferas iranianas.

O comandante da Marinha iraniana, o almirante Habibollah Sayyari, afirmou por seu lado, nesta quarta-feira, que é "muito fácil" para o Irão fechar o estreito, tão fácil "como beber um copo de água".

A V Frota norte-americana tem a sua base no Bahrein.

Fonte: DN.PT



quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Professia em Arte: Como vai ser o Ano 2012?

Apocalipse: Guerra, Revolta, Fome, Miséria, Pobreza,Separações, Liberdade Perdida

Arte de Por: Paulo Castelo

Nobel da Económia: “Portugal pode querer sair do euro”

Michael Spence, Nobel da Economia em 2001, alertou à Bloomberg TV que Portugal ou Grécia podem querer sair da união monetária.

Michael Spence considera que os líderes europeus devem estar preparados para a saída de um membro da zona euro. "A Grécia ou Portugal podem querer sair da união monetária pelo seu próprio pé", disse Spence, em entrevista à Bloomberg TV.

O Nobel, que também é professor na Stern, a escola de negócios da Universidade de Nova Iorque, diz ainda que o Banco Central Europeu deve "fazer o seu trabalho e assegurar o normal funcionamento do sistema bancário europeu."

"O BCE deve apoiar os países que estão a fazer reformas responsáveis, impedindo que os juros exigidos pelos investidores não fiquem fora de controlo", acrescentou Spence.

Sobre a situação italiana, que hoje colocou dívida no mercado no valor de 10,7 mil milhões de euros, com os juros a caírem a pique, o Nobel acredita que o país liderado por Mario Monti "está a fazer progressos" para atacar o défice.

Fonte: Económia

Crise: Portugal entre os países do euro com mais jovens desempregados

Este ano, o desemprego entre a população mais jovem tem crescido a um ritmo de 2.000 novos desempregados por mês.

No final do mês de Outubro estavam registados em Portugal como desempregados 141 mil jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos. Isto significa que 30,4% da população deste grupo etário estava sem trabalho.

Trata-se do valor mais elevado de sempre no país e a segunda maior taxa de desemprego entre os jovens da zona euro, no mês de Outubro. Apenas Espanha supera Portugal nesta classificação, onde o desemprego já afecta cerca de 49% dos jovens. Contudo, é importante salientar que os últimos dados conhecidos da Grécia, referentes ao mês de Agosto, apontavam para uma taxa de desemprego entre os jovens de 45,1%.

Este ano, o desemprego entre os jovens portugueses não tem parado de subir. Segundo dados do gabinete de estatística da União Europeia (Eurostat), desde Janeiro que não houve um único mês em que a taxa de desemprego no grupo etário da população com idades entre os 15 e os 24 anos tivesse registado uma correcção.

Pelo contrário: desde o início do ano que o desemprego entre os jovens passou de uma taxa de 26,7% para os actuais 30,4%, tendo-se contabilizado, em média, 2.000 novos jovens desempregados todos os meses.

São números bem distantes da média verificada nos 27 Estados-membros da União Europeia e dos 17 países da zona euro que, de acordo com os últimos dados do Eurostat, a taxa de desemprego média entre os jovens da União Europeia no final de Outubro era de 22% enquanto na zona euro este flagelo social afectava mais de um quinto da população jovem.

Holanda, Alemanha e Áustria são os três países que conseguem fugir a estas estatísticas negras, ao apresentaram taxas de desemprego entre os mais jovens abaixo da barreira dos 10%.

Fonte: Económico

Perspectiva: O que nos espera em 2012?


Vinte personalidades antecipam o que será o ano de 2012 em Portugal.
Vinte personalidades portuguesas de diferentes quadrantes tais como António Mexia, Souto Moura, António Barreto, Joana Vasconcelos ou Ricardo Reis fazem uma antevisão de 2012. Vinte opiniões e um denominador comum: vai ser um dos anos mais difíceis da história recente.
  • Souto Moura, arquitecto e Prémio Pritzker:"Há pessoas a chegar ao limiar da dignidade"
"É evidente que vai haver, e justamente, revoltas de pessoas e (...) há pessoas que estão a chegar ao limiar da dignidade humana".
"Vai haver uma grande recessão. (...) Espero que os políticos se entendam".
  • João Ferreira do Amaral, economista: "O ano mais difícil desde a II Guerra"
"Espero um ano muito difícil, tanto a nível português como europeu.Do ponto de visto económico vai provavelmente ser o ano mais difícil desde a II Guerra Mundial, e por maioria de razão desde o 25 de Abril."
"Mas vai ser muito difícil também do ponto de vista social e até político. Vão crescer tendências nacionais e europeias para uma certa forma de actuação política mais musculada. À medida que as dificuldades forem aparecendo, a reacção das autoridades será nesse sentido."
  • Joana Vasconcelos, artista plástica: "Para Portugal espero trabalho, convicção e muita coragem"
"Os portugueses têm todas essas características, precisam é de reanimá-las."
  • António Mexia, presidente da EDP: "Vai ser exigente para todos"

"O ano de 2012 vai ser exigente para todos os portugueses, para Portugal como um todo. Mas considero que estamos a fazer o que temos de fazer para ganhar credibilidade, grau de manobra, grau de liberdade para controlar o nosso próprio destino."

"Por isso 2012 vai ser, ao mesmo tempo, aquele em que demonstramos que somos capazes de fazer melhor e consolidarmos a credibilidade indispensável para que o país possa ter novamente acesso aos mercados e ajudar a resolver o principal problema da economia portuguesa, o seu financiamento."
  • Ricardo Reis, professor de economia na Universidade Columbia (EUA): "Ainda há razões para não estar excessivamente pessimista"
"Há razões para estar apreensivo com ano de 2012. Vai ser um ano muito difícil. Tem de haver uma contracção do rendimento e, sobretudo, do consumo das pessoas. (...) Temos simplesmente que consumir menos. E consumir menos vem com menos despesas das pessoas, vem com menos salários das pessoas, com maior desemprego. E é muito
custoso e é muito doloroso e não é de todo uma situação desejável, mas é uma situação que se tornou quase inevitável."
"Ainda há razões para não estar excessivamente pessimista. Ainda existe espaço para o Governo, de uma forma corajosa, tentar fazer algumas medidas de estímulo da economia no curto prazo, e existe ainda alguma esperança que a contracção da economia mundial não seja tão grande. Mas é esse o grande perigo interno para a economia portuguesa em 2012."
  • Guilherme d'Oliveira Martins, presidente do Tribunal de Contas: "2012 terá que ser o ano da recuperação"
"Será um ano particularmente exigente, uma vez que estamos numa fase que desejamos ser de início da recuperação, em termos europeus e mundiais, mas em Portugal e nos países europeus do Sul, vai ser indispensável um esforço adicional de disciplina e rigor."
"No entanto, 2012 não pode ser o ano da austeridade, terá que ser o ano da recuperação."
  • Sobrinho Simões, médico e director do IPATIMUP: "Estou chateado e um bocadinho assustado"
"Confesso que estou chateado, estou um bocadinho assustado [com o próximo ano], mas não sou do género de ficar deprimido. Quando fico assustado procuro reagir pela positiva".
"Agora caiu isto [crise] em cima de nós e temos que dar o salto. Acredito que vai melhorar devagarinho, desde que consigamos introduzir no sistema de governação a recompensa ao mérito, o castigo à falta de mérito e a punição da desonestidade".
  • António Barreto, sociólogo: Portugueses vivem momento de ansiedade e ignorância sobre futuro
"É necessário encontrar meios e tempo para o desenvolvimento económico, porque sem isso não há solução. (...) Só pagar as dívidas não chega, se não tivermos a capacidade para nos desenvolvermos".
"É preciso explicar às pessoas o que lhes está a acontecer. (...) É importante para a coesão nacional e para evitar perturbações insustentáveis"
"A população portuguesa está a viver um momento muito difícil, de ansiedade e, sobretudo, de ignorância sobre o que se exactamente se vai passar e como se vai passar.
  • João César das Neves, economista: Portugal "preparado para o choque", mas com medo
"A minha previsão é que Portugal aguente este momento muito difícil. De facto, o ajustamento é brutal quer do lado orçamental quer do lado económico. As incertezas mundiais e, em particular, as europeias são muito grandes e Portugal tem que aguentar. Aguentar quer dizer não cair em erros em que outros países estão a cair no meio da pressão. (...) O país está preparado para o choque e está a ajustar-se com seriedade, com respeito e com medo, mas também com clareza e com vontade".

"2012 vai ser muito difícil, um dos mais difíceis da nossa história, mas somos um país rico, com possibilidade e com um nível de produtividade elevado. Temos que aguentar para chegar a 2013 e iniciar outro ciclo de crescimento".
  • Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas: "É dramático"
"[As minhas] expectativas são muito pessimistas, baseadas naquilo que os próprios governantes têm vindo a alertar e fundamentadas nos pareceres dos economistas, que nos dizem que o próximo ano vai ser incomparavelmente mais difícil do que alguma vez já sentimos no pós-guerra. É dramático."
"Não podemos estar tão escravizados ao défice. Valeria a pena equacionar-se a possibilidade de levarmos mais anos a pagar a dívida - a pagar a dívida, porque eu não defendo que não se pague a dívida - para suavizar as exigências decorrentes do pagamento da mesma, porque o povo já não consegue suportar mais sacrifícios."
  • Jorge Ortiga, presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social: "2012 será um ano muito difícil"
"2012 será um ano muito difícil, e consequentemente, exigente para todos os portugueses" e em que a "pobreza irá crescer"
"[Espero que] seja um ano de solidariedade efectiva concretizada no dia a dia.".
"Ainda continua a existir uma riqueza acumulada num número bastante reduzido de portugueses, ainda continua a existir muitos fenómenos de corrupção e de fuga aos impostos, e é necessário que cada um colabore com a sua quota-parte de responsabilidade."
  • Paula Gil, dirigente do movimento "12 de Março": 2012 vai ser pior e com "muita contestação"
"Tendo em conta as medidas que o Governo está a aplicar, 2012 vai com certeza ser pior" e "com muita contestação" social".
"Trabalhar gratuitamente em dias feriados e mais meia hora por dia é um retrocesso social", "tem um nome e chama-se escravatura".
  • Paulo Pereira de Almeida, investigador do Instituto Superior do Trabalho e da Empresa (ISCTE)2012 será "ano de risco e pressão"
"2012 será um ano de risco e de alguma pressão sobre as forças e serviços de segurança no sentido em que será preciso perceber quais os movimentos que estão na base da contestação social e saber qual o tipo de respostas".
"2012 será seguramente um ano de teste para aquilo que é a segurança interna em Portugal".
  • Manuel António Pina, escritor: Que "mudem pelo menos as expectativas"
"Mudem pelo menos as expectativas em relação a 2012, que são as piores possíveis."
"Como ainda há pouco tempo provou o relatório da OCDE, os pobres estão cada vez mais pobres, os ricos mais ricos, há cada vez mais insegurança, cada vez mais falta de escrúpulos e cada vez mais a submissão aos ditames do dinheiro e do capital financeiro", acrescentou o escritor.
"O 'rating' das pessoas, utilizando um termo muito em voga, está cada vez mais como 'lixo', que é o que acontece com estas políticas recessivas que têm sido adoptadas".
  • Rui Cardoso, funcionário público em Macau e treinador de futebol: "Cenário económico de total depressão"
"Falar nas perspectivas para 2012, se calhar era melhor falar da falta de perspectivas porque o cenário económico não é de crise, mas de total depressão".
"Como fui educado a honrar a Pátria e a respeitá-la, espero que eles (os políticos) respeitem o nosso Portugal e não nos façam, a nós que vivemos cá fora a muitos quilómetros de distância, envergonharmo-nos dos portugueses que temos."
  • João Serra, presidente da Fundação Cidade de Guimarães: Recuperar o espírito "generoso" dos fundadores da Europa
"É preciso recuperar o espírito generoso e aberto dos fundadores da Europa."
"Em 2012] é indispensável que se verifique uma inflação estratégica no plano da liderança [da Europa]".
"O grande desafio para Portugal é saber contar com as próprias forças" e fazer "bem o trabalho de casa".
  • Marta Santos Pais, representante do secretário-geral da ONU para a Violência Infantil:"Consolidar as instituições democráticas" em África
"As lições que nós retiramos deste ano de 2011 são certamente de que existe um alargado sentido de democracia no mundo. Com movimentos de diferentes grupos, em muitas sociedades, houve a possibilidade de alcançar mudanças de regime."
"A esperança para o ano que vem é que, antes de mais, se possam consolidar as instituições democráticas que decorrem dessas transformações políticas, sobretudo nos países de norte de África, onde tantas mudanças tiveram lugar."
  • Eduardo Lourenço, filósofo e ensaísta: Europa falhou menos porque "nunca existiu"
"A Europa falhou menos do que se pode imaginar. A Europa aqui só quer dizer realmente esta tentativa de realizar a utopia da União Europeia, mas nunca existiu, é a primeira vez. Portanto ela não falha, porque ela não existe ainda, não existe como actor político a tempo inteiro."
"Se uma nova fase da construção europeia, paradoxalmente, sair deste caso em que nós estamos seria quase uma coisa providencial."
  • Germano Couto, bastonário da Ordem dos Enfermeiros: Respeito do poder político pela população
"Sabemos que vamos continuar com restrições económico-financeiras e que 2012 não vai ser fácil, mas espero que seja um ano em que a população seja respeitada pelo poder político."
"Sem saúde estamos a preparar a população para mais tarde sofrer consequências que serão devastadoras."
  • Hélder Rodrigues, campeão do Mundo de todo-o-terreno em motos em 2011: Que Portugal "melhore um bocado"
"Espero que [Portugal] melhore um bocado. É claro que as coisas não mudam de um dia para o outro. É como o meu trabalho, não é porque eu treinei mais hoje que amanhã vou ser melhor, mas sim ao longo de muitos anos e de muito trabalho. E eu acho que o nosso país é a mesma coisa: nós podemos trabalhar, podemos ter sucesso e acreditar durante alguns anos para conseguir erguer o nosso país".
Fonte: Económico