quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Mistérios: O Disco de Festos (Phaistos)

Em 03 de Julho de 1908, durante uma escavação nas ruínas da cidade cretense de Festos, foi encontrado por Luigi Pernier um pequeno disco de argila medindo 16 centímetros de tamanho e 16 milímetros de espessura. Em ambos os lados havia dezenas de sinais representados por figuras humanas, objectos do quotidiano, animais e plantas. Estes sinais eram separados em grupos pequenos divididos por linhas verticais, sendo ao todo 31 grupos de sinais no lado A e 30 grupos de sinais no lado B. Tudo indica que tais grupos de sinais encerram cada um o conceito de palavra. O que ainda não se sabe é se esse disco forma um texto, um calendário, uma relação ou outro tipo qualquer de registo.


O Disco de Festos foi composto com linhas espirais, divididas com linhas verticais. Há uma grande probabilidade destes quadros marcados por linhas verticais encerrarem cada um, uma palavra isolada. O disco comporta ao todo 31 “palavras” no lado A e 30 “palavras” no lado B. São ao todo 241 símbolos impressos, 122 símbolos no lado A e 119 símbolos no lado B. Mas a quantidade total de sinais sem repetição é de apenas de 45 símbolos. 

As ruínas de Festos localizam-se no sul da Ilha de Creta, nas planícies de Mesara no extremo leste do Monte Kastri. Festos foi construído no Período Proto-palacial (1900-1700 a.C.) da civilização minóica ou cretense. 


Não é possível decifrar as escritas hieroglíficas anteriores à escrita Linear A e Linear B. Segundo os dados arqueológicos Creta torna-se uma potência marítima em torno de 1900 a.C. Esse é o período em que são construídos diversos palácios, Knossos e Festos. 

OS SÍMBOLOS E SEUS CÓDIGOS

Observando detalhadamente os símbolos do Disco de Festos podemos perceber que alguns destes sinais também encontram similaridades com os hieróglifos egípcios. Desta forma, a hipótese de ser uma escrita hieroglífica cretense derivada da escrita egípcia antiga não é infundada. A questão gira em torno de saber se esta escrita é logográfica ou fonográfica.

Há a possibilidade de serem os sinais do Disco de Festos apenas uma escrita logográfica, isto é, ela representaria numa frase ideias. Por exemplo, se a escrita de Festos fosse logográfica poderíamos talvez lê-la associando os símbolos entre si. No lado A do Disco de Festos, utilizando o primeiro quadro na periferia do disco que é encerrado por uma linha vertical com quatro pontos há as respectivas figuras de um “rei”, de um “sol com sete pontos”, de uma “espiga de cereal”, de um “homem a andar” e de um “boomerang”. Numa escrita logográfica o que importa mais são os conceitos e não o sons. O sons não são delimitados dentro de regras estritas como no sistema fonético silábico de Linear B. Então este trecho poderia ser traduzido como: “o rei divino ao campo foi para caçar”. A característica da escrita logográfica é a de que não se precisa de conhecer a língua em que se foi escrito tal texto, basta apenas saber os significados dos sinais.

No Disco de Festos alguns sinais relacionam-se com os modelos dos sinais egípcios. Não há a possibilidade de se considerar este sistema de escrita como estritamente alfabética, pois existem ao todo 45 sinais utilizados no disco, sendo que a escrita alfabética necessita de muito menos. Então, a escrita hieroglífica de Festos pode ser também abordada como um conjunto misto de escrita, da mesma forma que a escrita hieroglífica egípcia. Além de sinais com valor fonético consonantal, próprio de uma escrita alfabética, haverá também outros sinais hipotéticos representando entre outros, sílabas, morfemas, ideias ou contextos.


A DESCODIFICAÇÃO

Se os sinais de Festos tiverem valores fonográficos, o que resta saber é como os grupos de sinais no Disco de Festos são lidos, isto é, a partir de que direcção se deve iniciar a leitura e a apreensão da semântica textual. A possibilidade do texto escapar do curso em espiral, dependendo de uma regra de leitura parece ser muito pequena. Então, tanto começando pela periferia como a partir do centro do disco, só há uma direcção a seguir, a espiral.

No Disco de Festos, pode-se perceber que na periferia e em ambos os lados a sequência do texto é limitada por uma linha vertical com cinco e quatro pontos e o grupo do centro não possui nenhum sinal que os caracterize como ponto de partida para a leitura. Esta seria a percepção mais óbvia, mas há a necessidade de se levar em conta também outros factores.

Um comentário:

  1. Perdoe-me se eu for cético sobre tanta teoria e mistério sobre os discos, mas desde os primórdios tentávamos organizar a contagem dos dias e semanas pelas fases da lua, note que há 31 DIAS numa face e 30 DIAS na outra, o que já era nessa forma usado até a padronização global, por assim dizer, na forma de Cezar a partir do considerado ano zero após o nascimento de Cristo. Desde então, padronizado e corrigido, onde se segue o ano bissexto, já se passaram 2.012 anos e nada deste foi modificado ou reatualizado até os dias de hoje.
    O disco mostra claramente uma forma de organização escrita e detalhada no que a meu ver um servo deveria executar diariamente e, ao terminar o ciclo das luas ao último dia... O mesmo deveria virar o disco alternando com o anterior e se executar novas tarefas as quais integrariam todo conjunto equilibradamente. Porém um detalhe me chamou muito a atenção, um homem de corte moicano como falamos hoje em dia, seguido de um circulo adornado; para mim nada mais é do que um ESCUDO de guerra e seu SOLDADO, ou seja, dependendo do dia da semana ele intercala o descanso de 1 a 2 DIAS, como seu período de guarda. Mais além, o ESCUDO a solta pode ser que se refira a qualquer cidadão auxiliando neste dia a formar a guarda, além de me parecer que há pessoas de status hierárquico bem definido, que intercalam afazeres comuns em dias pré-determinados, nesse caso, para o bem de todos.
    É óbvio que Senhor nenhum de seu clã quer ficar repetindo ordens todos os dias até o fim dos seus próprios, então nada melhor que organizá-los e deixar a mão pra qualquer um entender e executar o que foi mandado.
    A contagem da semana é de 6 DIAS nestes discos, algumas tarefas são repetidas exatamente iguais em intervalos de 6 ou 12 DIAS.

    Mas quem irá ouvir alguém como eu que só olhou estes discos com simplicidade? Abraços, fica com Deus.

    ResponderExcluir