sexta-feira, 3 de maio de 2013

Saúde: Como se lembrar de tudo

cientistas, memória, estudantes, Estudo
O homem é capaz de recordar e evocar tudo que lhe ocorreu desde o nascimento, afirma um grupo de estudantes entusiastas da Universidade Politécnica de Tomsk, cidade siberiana, que projetaram um programa especial permitindo tirar da memória tudo que foi esquecido.

O princípio básico do projeto passa pela aplicação de métodos da mentalidade associativa.

Um paciente vê várias imagens esquecidas que se projetam no monitor. Se alguém se esqueceu da morada, serão lhe exibidas imagens de países, regiões, cidades, locais notáveis, ruas e casas residenciais. Se ele fixar o olhar numa dessas, se poderá dizer que a escolha foi feita no subconsciente.

A câmara registra em que imagem se fixa o olhar do paciente, enquanto o computador passa a processar dados necessários, relata Vladimir Ossin, coordenador do programa:

"Tal método permite recuperar a memória, pelo que as imagens fazem intensificar o subconsciente".

Hoje existe apenas um protótipo do programa em causa, mas em breve será possível restabelecer na memória um modelo e até o número do seu primeiro celular.

Todavia, os especialistas não se apressam a partilhar previsões otimistas de alunos. A professora de neurologia e neurocirurgia, Natalia Jukova, dedicou vários anos ao estudo de perturbações e desarranjos da memória, sendo da opinião que o método proposto "deverá usado num conjunto de medidas de tratamento e profilaxia".

"Recompor a memória não é uma tarefa fácil", constata adiantando:

"Trata-se de uma patologia complicada no tratamento da qual se deve usar técnicas diversificadas, incluindo o método de recordações associativas".

Enquanto isso, os alunos universitários deram a conhecer o seu programa aos especialistas da Universidade de Medicina de Tomsk, alguns dos quais se congratularam por essa inovação. Mas os médicos da Clínica de Doenças Neurológicas se disponibilizaram a efetuar pesquisas conjuntas e levar a bom termo o projeto aliciante.

Fonte: Voz da Rússia

Nenhum comentário:

Postar um comentário