domingo, 5 de maio de 2013

Cocaína e a crise financeira

A droga que faz com que os que a consomem se sintam os mestres do universo. Exactamente o que este homem culpa de alimentar a crise financeira.

O neurocientista, David Nutt, defende que uma cultura da cocaína entre os banqueiros, deu-lhes excesso de confiança e fez com que assumissem mais riscos. Uma posição que não é totalmente posta de parte por um ex-corretor da bolsa.

Os cientistas dizem que negociação e cocaína caminham lado a lado. As duas aumentam o fabrico de dopamina, o químico que dá ao corpo a sensação de bem-estar... E surge quando tomamos riscos. As grandes histórias de abuso da cocaína acabaram por se tornar lendas. Em 2007, David Firth do Barclays foi preso por traficar na secretária. Mas há claramente muito para além da cocaína a justificar esta crise financeira.

De acordo com um relatório britânico da ONU, o consumo de cocaína atingiu o pico em 2007, um ano depois dos bónus na banca atingirem um recorde de 10,4 mil milhões de euros.
Mas o colapso dos Lehman Brothers em 2008 mudou a paisagem e foi um golpe massivo no estilo de vida que até aí os banqueiros levavam. Apesar do argumento ter alguma substância, culpar a cocaína da crise financeira é claramente simplista.

Fonte: Económico

Nenhum comentário:

Postar um comentário